Home
Quem sou
Família
Casais
Filhos
Educ.Contra a Violência
Contato
 


   É comum pais se acharem culpados por tudo o que os filhos fazem de errado, ou por tudo o que dá errado  com os filhos.  Infelizmente, algumas ciências reforçam este sentimento, o que imobiliza os pais (e a escola também) e os impede de  fazer o que devem fazer: RESOLVER O PROBLEMA. Não se trata de fugir da responsabilidade, mas de olhar os acontecimentos de forma mais sistêmica.

   Ora, todo mundo se esquece que também foi jovem...Provavelmente nossos pais "normais" cometeram erros mas, mesmo pais que "beiraram a perfeição" tiveram filhos que mentiram para eles e que "aprontaram." Lembra...?

   A adolescência é especialmente um momento difícil porque acontecem muitas transformações no nosso cérebro. Para o jovem se tornar um adulto responsável, a natureza não só "providencia" que o jovem aja muitas vezes de forma a parecer um trem desgovernado, mas também (por mais doloroso e assustador que isto seja para um pai), isto é fundamental para que ele chegue lá! 

   Então, se seu filho está aprontando, mentindo, etc... Não quer dizer que você é mau pai, ou seu filho é mau filho. Procure ajuda de um psicólogo especialista, em terapia de família. Muito se pode esclarecer quando se conversam vários membros da família!

Cristina Marques


Pedido de uma Criança à Seus Pais

“Não tenham medo de ser firmes comigo. Prefiro assim. Isto faz com que eu me sinta mais seguro. Não me ‘estraguem’. Sei que não devo ter tudo que quero. Só estou experimentando vocês.

Não deixem que eu adquira maus hábitos. Dependo de vocês para saber o que é certo ou errado. Não me corrijam com raiva e nem na presença de estanhos. Aprenderei muito mais se me falarem com calma e em particular.

Não me protejam das conseqüências de meus erros. Às vezes eu prefiro aprender pelo caminho mais áspero.

Não levem muito a sério minhas pequenas dores. Necessito delas para obter a atenção que desejo. Não sejam irritantes ao me corrigir. Se assim fizerem eu poderei fazer o contrário do que me pedem.

Não me façam promessas que não poderão cumprir depois. Lembrem-se de que isto me deixará profundamente desapontado.

Não ponham à prova minha honestidade. Sou facilmente tentado a dizer mentiras. Não me mostrem um Deus carrancudo e vingativo. Isto me afastará Dele. Não desconversem quando eu faço perguntas, se não eu procurarei na rua as respostas que não tiver em casa.

Não se mostrem para mim como pessoas perfeitas e infalíveis. Ficarei extremamente chocado quando descobrir algum erro seu. Não digam que não conseguem me controlar. Eu julgarei que sou mais forte que vocês.

Não me tratem como uma pessoa sem personalidade. Lembre-se de que eu tenho meu próprio modo de ser. 

Não vivam me apontando os defeitos das pessoas que me cercam. Isto criará em mim, desde cedo, um espírito intolerante. Não se esqueçam de que eu gosto de experimentar as coisas por mim mesmo.

Não queiram me ensinar tudo. Não desistam de me ensinar o bem, mesmo que eu pareça não estar aprendendo.  No futuro vocês verão em mim o fruto daquilo que plantaram.”  


Explosões de Choro em Crianças de Três Anos

Muitas crianças de três anos têm “explosões de choro” ou se tornam desobedientes. Nesta situação a melhor maneira de ajudar seu filho é tentar descobrir o que está acontecendo. É comum estar relacionado com querer ser o líder. Uma criança desta idade prefere fazer o que quer ao invés de ouvir os adultos e, pode querer impor sua vontade tentando vencê-los por cansaço.

Pode acontecer também que seu filho se sinta impotente por não conseguir realizar uma ação ou por não poder fazer alguma coisa que crianças maiores já podem. Quando ele tiver se acalmado, vocês podem conversar e descobrir juntos o que o incomodava. Deixe-o perceber que ele também tem o direito de ficar chateado às vezes.

Depois deste período, ele vai começar a aceitar melhor a opinião dos outros.

Cristina Marques




 
 
Top